25 Fevereiro, 2005

dentro de momentos…

Posted in la dolce vita às 12:53 por catarinia

…vou fugir para Coimbra e não garanto voltar tão cedo. À mínima desculpa, fico por lá! Haverá cidade mais maravilhosa?

Anúncios

22 Fevereiro, 2005

neta orgulhosa!

Posted in politiquices às 13:11 por catarinia

Falei com a minha avó no sábado antes das eleições, e acabei por lhe perguntar em quem ía votar, pensando eu que saberia de antemão a resposta: há mais de 30 anos que a minha avó vota PS. Desta vez respondeu-me qualquer coisa como:

“Oh! Sempre pús [a cruzinha] no PS e ora vão uns, ora vão outros [para o Governo] e é sempre a mesma vida. Eles bem que mudam as caras, mas vão todos dizendo a mesma coisa e nenhum quer saber da gente. Desta vez vou pôr [a cruzinha] naquele senhor dos óculos, muito bem parecido. O da Esquerda. Gosto muito de o ouvir falar, parece que tem ideias modernas. E o que é preciso é ideias modernas, para ver se isto anda para a frente.”

Não estivera eu a quase 500 Km e tinha-a estrafegado com um abracinho muito apertado e coberto de beijocas. Apesar de poder não concordar totalmente com a análise, é um voto muito consciente para uma pessoa de 72 anos, completamente iletrada, e de uma terreola esquecida para lá do sol posto, cheia de casas vazias e um centro de idosos a rebentar pelas costuras. Tenho muito orgulho na minha avozinha mais linda!

ainda a digerir os resultados eleitorais

Posted in politiquices às 12:54 por catarinia

Com as eleições marcadas de urgência, não fui a tempo de alterar o meu recenseamento para a freguesia da casa nova, pelo que, por incompatibilidade entre o BI e o cartão de eleitor, não pude votar nestas eleições. [Bolas, bolas, bolas!!! Raios partam a burocracia e mais as toneladas de papelada. Porque é que não há-de haver só um cartão que sirva para tudo?]. Apesar de me sentir completamente inútil enquanto cidadã, fiquei toda atenta e na expectativa dos resultados, colada à televisão a noite inteira.

É claro que estou contente. Não esperava uma maioria absoluta do PS, muito menos uma maioria tão absoluta… Mas afinal mudámos de Governo, o PSD e o CDS foram completamente cilindrados (mais os primeiros que os segundos, embora pela reacção dos respectivos líderes até se possa pensar o contrário…) e toda a esquerda cresceu. E isso é bom!

Mas da minha modesta análise dos resultados, o que me parece é que a CDU e o BE cresceram à custa da ala esquerda descontente com este PS, que por sua vez creceu à conta da ala de centro descontente com este PSD. Portanto baralhámos, voltámos a dar, e no fim quer-me cá parecer que vamos ter mais do mesmo. Até o Primeiro Ministro vai continuar a ser um homenzinho arrogante e empertigado e que, com esta maioria toda histórica e tão significativa, vai fazer o que muito bem entender sem querer saber de mais ninguém. O senhor diz que não… Oxalá assim seja, e que eu esteja muito enganada.

Senhor José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa: o senhor que quase pronunciou a palavra “ciência” na sua primeira intervenção depois de eleito, quase me dando uma alegria não fosse ter emendado logo a seguir e ter vindo com a treta dos 1000 jovens colocados não sei onde (1000 jovens??? Mas que disparate vem a ser este? Podia ter dito 10 que a irrelevância era a mesma. Haja paciência e um mínimo de respeito, sim?) o senhor por favor, tenha o obséquio de desempenhar a sua função decentemente. Parece que o país conta com isso.

18 Fevereiro, 2005

parabéns ao Universo!

Posted in blogosfera às 00:26 por catarinia

Hoje o meu Universo faz um ano.

Os primeiros posts foram de experiências e reacções ao aspecto da página, mas digamos que o seu “estatuto editorial” data de 21 de Março e dizia assim:

já lá vão uns tempos

Já não escrevo aqui há muito tempo… O propósito desta página era poder escrever os meus pensamentos, e não perder o que escrevo. E não percebo porquê, tinha ideia de que podiam ficar só para mim, mesmo estando na Net. Há concerteza milhões de páginas na Net que nunca receberam uma única visita, porque é que esta haveria de ser diferente? Se eu não dissesse nada a ninguém, ninguém havia de cá vir, e podia escrever-me e descrever-me. Falar do que muito bem entendesse, sem ter a sensação de estar a ser invadida. Porque mesmo que estivesse, não sabia!
Mas não… Inexplicavelmente, fui descoberta! Logo 2 ou 3 dias depois de ter isto online. E, embora de certeza com as melhores intensões, a existência do meu Universo foi anunciada… Na mailling list da minha turma!!! E eu quero lá que a minha turma toda fique a par dos meus pensamentos mais meus?
Pois aqui o Universo foi desvirtuado… E como não me tem apetecido nada escrever sobre actualidades nem trivialidades, e também não me sinto muito confortável em escrever aqui sobre outras coisas, tenho votado o Universo um bocadinho ao ostracismo. Vou esperar pacientemente que a turma se esqueça que isto existe. Até pode acontecer que não passe por cá ninguém, mas quem sabe? Agora não me sinto confortável,
prontes! Pode ser que mais tarde volte ao propósito inicial do meu Universo. Entretanto vou continuando a dedicar-me aos papeluchos, àqueles que acabo por perder. Mas que também têm uma vertente muito boa, que é de vez em quando, quando menos espero, encontrar alguns que pensava perdidos há muito tempo. (…)

Terá cumprido o seu propósito? De certa forma, sim. Tem servido de escape, de dasabafo; é onde baixo a minha guarda de orgulho e insegurança e onde digo o que me vai na alma, sem me sentir julgada. No fundo, é a minha terapia, com a vantagem de que é de borla.

E não, não me tenho sentido invadida, mesmo apesar das mil e tal visitas, a contar desde Maio. Nunca pensei que eu, as minhas neuras e os meus devaneios pudéssemos interessar a tanta gente, o que acaba até por ser engraçado na medida em que se descobrem empatias por pessoas totalmente desconhecidas, e pelas suas palavras.

Não estou propriamente numa altura de atirar foguetes e mandar serpentinas, nem para festejar o aniversário do Universo. De facto, o Universo está quase fechado para balanço. Mas depois de clarificar as ideias e organizar o espírito, prometo voltar à produção literária, mais arejada. Em breve…

Mais uma vez agradeço aos novos amigos “blogosféricos” as visitas e a simpatia dedicada ao meu pequeno Universo. Se houver paciência, voltem para os próximos episódios.

10 Fevereiro, 2005

colorir, colorir, colorir!

Posted in bairro do amor, musicalidades às 12:02 por catarinia

Vou pôr os meus óculos de ver a vida cor-de-rosa, desenterrar os sorrisos e sonhar com viagens para longe. Respirar fundo e absorver um novo recomeço. De mente aberta.

O Primeiro Dia (mais um…)

A principio é simples, anda-se sozinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no burburinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado, que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se, come-se e alguém nos diz: bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
olha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso, por curto que seja
apagam-se dúvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar, sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
e outra maré cheia virá da maré vaza
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida.

Sérgio Godinho

2 Fevereiro, 2005

nada como um belo par de estalos para abrir a pestana!

Posted in bairro do amor, desabafos às 18:05 por catarinia

Slap! Slap!

É bem feita, que é para não seres parva.