28 Junho, 2005

tão crescida!

Posted in ervilhinha às 23:47 por catarinia

Só passaram três meses, mas pareceu uma eternidade! O teu tempo passa muito mais depressa que o meu… Às vezes dá-me medo que nem me reconheças. Mas nem penses que eu vou deixar que isso aconteça! Aqui a madrinha está longe, mas sempre presente!

Entretanto estás muito mais crescida, muito mais segura e muito mais consciente de ti mesma. Cheia de gracinhas que fazem rebentar o orgulho e colam um sorrisinho idiota à cara… Se me deixasses, não parava de te apertar e de te cobrir de beijocas! Estás linda!!!

Anúncios

22 Junho, 2005

estes conceitos modernos… ultrapassam-me!

Posted in politiquices às 21:22 por catarinia

Hoje precisei de ir a Faro, e passei pela primeira vez no Largo da Pontinha depois de devidamente inaugurado, com todo o chinfrim a que o senhor que preside à Câmara aqui do burgo nos tem acostumado. Sem os taipais que escondiam as obras, portanto. E fiquei aparvalhada!

Para quem prometia, num dos vários folhetins de propaganda mais vergonhosa que alguma vez me foi dado ver, “Uma das maiores e mais bonitas praças da Europa” (a citação é feita de memória, e eu uso a expressão “Uma das” em vez de “A” porque já não posso ir confirmar, e a expressão “A” parece-me excessivamente insana, mesmo para este senhor)… Pois, deixa muito a desejar.

Diz-se no site da Câmara Municipal de Faro: “No género é uma das obras mais importantes do Algarve pela sua dimensão, beleza e estacionamento subterrâneo. Trata-se de uma das maiores praças do país com cerca de 8.000 m2, uma grande pérgola com jardim suspenso, uma grande zona com 16 jogos de água, 50 floreiras com laranjeiras, jacarandás e outras árvores e flores. Há ainda duas rotundas nos topos Norte e Sul, boa iluminação com candeeiros com pendões decorativos, etc.”

8000 m2… 8000 m2 que poderiam ter sido arborizados, onde poderia haver recantos com sombra, esplanadas agradáveis… Enfim, uma praça bonita. Mas não, é apenas uma enorme calçada, à torreira da soleira, com uns repuxos de água no meio – que abunda e se pode desperdiçar – e a tal de pérgula, umas colunas de pedra à laia de mármore, que até pode ficar engraçada daqui a uns anos, quando as floritas encarrapitadas lá em cima crescerem – o tal “jardim suspenso”. Das árvores que lá existiam restam quatro, mas “podadas” até à exaustão, na forma de “apenas tronco”. E por todo o lado – mas mesmo por todo o lado – aqueles vasos horrorosos. As ditas floreiras, cubos para aí de 1 m3, com umas arvorezinhas lá dentro, coitadas, condenadas a definhar quando não puderem continuar a crescer, ou a ser eternas bonsai. Jacarandás em vasos… Ter-se-á o responsável por esta brilhante decis�ão, dado ao incómodo de ir ver as outras jacarandás que há pela cidade? De reparar no tamanho que elas atingem?

Que conceito mais estranho de arborizar, de criar espaços verdes… No resto da cidade, a desculpa foi que não havia espaço para abrir uma caleira. Então e numa praça acabada de construir? Qual é a desculpa para se plantarem vasos, em vez de se plantarem as árvores directamente na terra?

19 Junho, 2005

a bicharada que se controle, ou eu não respondo por mim!

Posted in dramas domésticos às 14:44 por catarinia

Primeiro foi uma andorinha. Já contei a história fatal: pobre passarinho, desorientou-se aqui para a varanda, a gata resolveu usá-lo para a brincadeira e o bichinho morreu de choque. É triste, mas é da vida, e afinal uma andorinha é um animal perfeitamente inofensivo.

Depois foi uma barata. Gigante, gorda e ruiva, daquelas que voam… Uma nojeira!!! Mais uma vez a gata apareceu ao pé de mim com o bicho e, depois de um ou dois chiliques, lá empurrámos o Rui para resolver o assunto. Não sei como, não sei para onde, porque só a ideia de tocar numa destas criaturas me dá a volta ao estômago, mas o que é facto é que ele foi rápido e eficiente e a bicheza desapareceu cá de casa num instante.

E ontem foi uma osga. Dei com ela coladinha na parede no meu quarto quando me ía deitar, e por pouco não lhe punha a mão em cima ao acender a luz. UMA OSGA! NO MEU QUARTO!!! Ainda por cima era rápida, enquanto fui chamar o Rui para mais uma vez tratar da ocorrência, a criatura mudou de sítio e ainda tivémos de andar à procura. Tal não foi o desassossego… Cheguei a pensar que tinha de a deixar lá ficar, trancar o quarto e ir dormir para outro lado!

Mas afinal o que é que se passa com a bicharada? Anda tudo descontrolado… Três bichos em três dias, isto é uma invasão animalesca. Depois de uma barata e de uma osga, nem quero pensar no que se seguirá… Já uma pessoa não pode estar segura em casa, nem mesmo encarrapitada num terceiro andar!

Répteis e rastejantes deste mundo, ouvi o meu aviso! Não vos atreveis a meter-vos comigo, que eu não respondo por mim! Sou bem capaz de revirar a casa de vasoura em punho para vos exterminar a todos sem dó nem piedade, caso insistirdes em invadir os meus domínios!
Ou isso, ou grito pelo Rui!

15 Junho, 2005

o instinto da caçadora

Posted in bichana, dramas domésticos às 01:32 por catarinia

Quem diria que esta bichana de ar pacífico, fofucho e adorável, que não se mexe nem para matar o melguedo que me ataca e me devora até à medula, cujo cúmulo de actividade diária é ir esperar-me à porta de casa e andar à minha volta até que lhe dê a paparoca é, afinal, uma verdadeira caçadora?

Hoje ofereceu-me o seu primeiro troféu de caça. Quando cheguei a casa, não estava à porta à minha espera, mas foi ter comigo ao quarto e depositou-me aos pés qualquer coisa que trazia na boca. A princípio andava entretida a arrumar umas coisas e nem reparei. Deve ter ficado ofendidíssima! Desatou a miar e a empurrar uma coisa preta com a patita, e foi nessa altura que reparei que era uma andorinha…

Coitadinho do passarinho! Era mesmo uma andorinha pequenita, deve ter começado a voar e caiu aqui na varanda, à mercê da minha fera caçadora. E agora? O que é que eu faço com o bichito???

Tentei não lhe mexer muito, improvisei uma maca de uma embalagem e voltei a levá-la para a varanda, na esperança que ela se animasse a voar e se fosse embora sozinha. A Dharma colou-se ao vidro do lado de dentro, instalada de forma a poder observar o troféu em todo o seu esplendor, pronta a seguir-lhe todos os movimentos… Mas o bichinho não se mexeu.

Oh merda! O passarinho está em sofrimento e não deve ter salvação. Não sou capaz de o matar, mas também não pode ficar ali o animal em agonia… O que é que eu faço agora?

Vá de ligar ao homem da casa, a perguntar se vai demorar muito. Diz que é capaz de demorar um bocadinho, Então porquê? Lá lhe explico o meu dilema, e depois de gozar com a minha cara… Epá, torce-lhe o pescoço! Como seu eu fosse capaz!!! Nem ele! Assim que chegou a casa veio com uma conversa de que as andorinhas são as galinhas de Deus e que não se podem matar(!?), pegou no passarinho, virou-o e revirou-o a ver se estava ferido, soprou-lhe as peninhas todas à procura de sangue, e quase esgoelou o bicho para o obrigar a beber água, que eu ía dando com um bocadinho de cartão dobrado, a fazer de funil. Tanto mexeu e remexeu, que o pobre fechou os olhitos e pronto, deixou de respirar. Finou-se nas mãos dele.

Coitadinho… Fiquei desolada!

12 Junho, 2005

eu nem quero acreditar!!!

Posted in causas às 22:06 por catarinia

Depois do "arrastão" na Praia de Carcavelos, li e ouvi uma série de reacções que me deixaram verde, de raiva e de vergonha. O ódio cego e ignorante que vi depurado foi tanto, que decidi não me manifestar durante um ou dois dias, para não sair disparate. É que o ódio racial é absolutamente irracional, revoltante, e dos poucos assuntos que realmente me tiram do sério. E vai continuar a ser assim, enquanto as pessoas não perceberem a diferença entre "delinquente", "criminoso" e "preto".

Agora esta notícia sobre Quarteira… Sinceramente!!! Então mas afinal o que é que se passou em Quarteira??? Querem ver que agora as pessoas não podem estar em grupo na rua??? Quer dizer que mais que duas pessoas juntas na rua passou a ser crime? Ou será que é só se essas pessoas forem pretas? Quer dizer que num fim de semana grande, que em Lisboa é de 4 dias, e em que metade dos portugueses estão no Algarve, se se for preto e se morar na Amadora, tem de se ficar em prisão domiciliária? Que depois de sexta-feira, as praias ficaram interditas e pessoas negras, especialmente se estiverem com amigos, e se esses amigos também forem negros? Minha santa paciência…

Houve uma rave, uma excursão até cá para vir à festa, qual é a admiração se as pessoas a seguir se concentrarem na praia? Se se for à Praia de Faro nas manhãs da semana académica, acontece exactamente o mesmo! Ou à Figueira em dia de garraiada! E na Ilha de Tavira é assim o Verão inteiro!!!

A verdade é que o que aconteceu em Carcavelos foi um problema grave, e há que saber lidar com ele. Mas daí até começar a defender um novo Holocausto vai uma grande distância!

8 Junho, 2005

olha que giro!

Posted in ao molho às 22:33 por catarinia

Respondendo ao desafio da jacky, cá vai.

catarinia by Google Images, as primeiras entradas para:

Onde nasci e onde vivo

O meu nome (que bonito…) e o nome da minha Avó

A minha comida e bebida favoritas

A minha música (esta foi difícil, foi o que me ocorreu… mas há outras possibilidades) e o meu cheiro preferidos

Daqui resulta que o Google é feio! O Google é mau!!! Onde já se viu arranjar-me um bêbado todo arruinado para o meu nome??? A isto se chama denegrir uma imagem…

5 Junho, 2005

é Verão quando…

Posted in la dolce vita às 01:26 por catarinia

…abre a esplanada d'Os Artistas! Quando chegamos ao princípio da noite, ocupamos uma mesa a dois, e acabamos a noite com mais de dez cadeiras à volta. Quando encontramos amigos que não víamos há imenso tempo, e levamos horas em amena conversa, até já não ter posição na cadeira. Quando estamos bem na rua sem precisar de um casaco, e sabe bem uma caipirinha!

E quando passamos uma tarde maravilhosa na praia! Quando o mar está uma sopa e sabe bem o calor do sol que nos seca o sal na pele. Quando nos esquecemos que precisamos de comer, e de repente nos dá a fome e temos de ir a correr para casa. E preguiçamos o resto do dia, sem qualquer complexo de culpa!

Aaaahhhhh……….. moleza boa!