28 Novembro, 2005

há uma revolta em curso cá em casa!

Posted in dramas domésticos às 17:55 por catarinia

Canalização entupida; varanda alagada; calhaus de calcário a sair do sifão do lava loiça, de tamanho bem jeitoso para servir de arma de arremesso; torneira avariada; autoclismo a pingar; picos de corrente a toda a hora, lâmpadas fundidas por todo o lado, interruptor derretido; frigorífico a zumbir, num nível de ruído completamente inaceitável; máquina da roupa a parar a meio da lavagem e a dar o salto para o meio da cozinha… E tudo no prazo de um ou dois meses, mais coisa, menos coisa.

E como se isto não bastasse, agora o estupor do esquentador, já com um historial vergonhoso, volta a aprontar das suas??? É Inverno, está uma briasca que não se aguenta, exigimos água quente! Não toleramos nova greve deste senhor, e muito menos que imite um avião a levantar vôo, numa tentativa de deserção. Já mansinho e a tinir! Ou eu não respondo por mim.

24 Novembro, 2005

oceanário solidário

Posted in causas às 12:42 por catarinia

Para quem não tiver uma lupa à mão, o que diz lá em cima é o seguinte:

"1 BRINQUEDO = 1 ENTRADA GRÁTIS = 2 CRIANÇAS FELIZES

Este ano, torne o Natal de muitos meninos e meninas desfavorecidos verdadeiramente inesquecível. Até 1 de Janeiro de 2006, ao trazer um brinquedo, nós oferecemos a entrada à criança que o acompanhar e o brinquedo a uma das crianças convidadas a passarem connosco a Festa de Natal Oceanário Solidário. Mergulhe nesta iniciativa e dê a muitas crianças a possibilidade de verem pela primeira vez o Oceanário ao vivo e, provavelmente, uma prenda de Natal."

Para mais informações (que não são muitas, é só isto mesmo…) é favor visitar o Oceanário de Lisboa. Vale sempre a pena, e já agora, levem um brinquedo. Mesmo que não levem a criança…

É pena só se lembrarem deste tipo de iniciativas no Natal, mas mais vale agora que nunca.

20 Novembro, 2005

à atenção do amigo Roma

Posted in amiguinhos às 13:53 por catarinia

Isto é que são os acumuladores da geleira.

E o kit "extracção do siso" não se vende, pá! É "home made"

espera

Posted in poetas e sonhadores às 01:25 por catarinia

Deito-me tarde
Espero por uma espécie de silêncio
Que nunca chega cedo
Espero a atenção a concentração da hora tardia
Ardente e nua
É então que os espelhos acendem o seu segundo brilho
É então que se vê o desenho do vazio
É então que se vê subitamente
A nossa própria mão poisada sobre a mesa

É então que se vê o passar do silêncio

Navegação antiquíssima e solene

Sophia de Mello Breyner Andresen

lá fora e cá dentro…

Posted in introspecções às 00:31 por catarinia

… hoje é noite de tempestade. Chove torrencialmente, há relâmpagos, trovões e um vendaval assustador. Seria uma noite perfeita para ficar calmamente em casa, enroscada com a gata e uma musiquinha pacífica, um livro, um bom filme… se não estivesse tão inquieta.

O vento assuta-me, faz-me sentir uma formiguinha à mercê do poder das forças da Natureza. Por muito bem que tente fechar tudo, a luz continua a estremecer a cada relâmpago, os estores e as janelas continuam a sacudir-se a cada rajada de vento, que teima em entrar e revolver-me os pensamentos, os sentimentos.

Hoje não está tempo para sair de casa, não está dia para uma visita à Memory Lane.
Hoje não está tempo para estar sozinha.

16 Novembro, 2005

dia do mar

Posted in causas às 19:06 por catarinia


Fotografia de José Henrique Azevedo (c) Peter Café Sport

Este ano, o Dia Nacional do Mar coincide com o Dia Mundial do Mar, que também se assinala hoje e no nosso país. Para saber tudo, é aqui, no site oficial do evento. Já vem um bocadinho tarde, sorry…

Mesmo aqui ao lado, e até dia 30 de Novembro, a visitar na Biblioteca Central da Universidade do Algarve a exposição de fotografia "Mar Imenso, Mar Intenso"

14 Novembro, 2005

odeio dentistas!!!

Posted in desabafos às 19:13 por catarinia

E é tudo o que tenho a dizer.
Agora vou voltar a gemer ali para o meu canto do sofá…

13 Novembro, 2005

aiiiiiiii….. tenho medo!!!

Posted in desabafos às 22:53 por catarinia

É amanhã. Finalmente. Depois de mais de um ano a adiar enquanto arranjo aqui e ali, este e aquele dentito, é finalmente amanhã. Vou livrar-me do primeiro dos dentes do siso. Hora fatídica da intervenção: 14h30.

Aiiiiiiii….. que tenho medo!

Estou há dois dias a antibiótico, pús os acumuladores da geleira no congelador, já ali tenho um stock de sopa bem atestado e amanhã, a caminho da dentista, logo compro umas papinhas e uma dose cavalar de analgésicos. Parece-me que tenho o kit “extracção do siso” devidamente aviado. Será que me estou a esquecer de alguma coisa?

Aiiiiiiii….. que tenho medo!

Se amanhã não der notícias, haja alguém que mande um advogado à esquadra aqui do burgo. Pode ser que esteja detida por agressão e precise dos serviços do dito. Não garanto que, se a senhora me magoar muito, não a espanque violentamente… Já agora, ele que leve gelo!

Aiiiiiiii….. que tenho medo! Quero a minha Mãe!!!

11 Novembro, 2005

song of childhood

Posted in cinematógrafo às 14:56 por catarinia

Ainda As Asas do Desejo

Song of Childhood
By Peter Handke


When the child was a child
It walked with its arms swinging,
wanted the brook to be a river,
the river to be a torrent,
and this puddle to be the sea.

When the child was a child,
it didn’t know that it was a child,
everything was soulful,
and all souls were one.

When the child was a child,
it had no opinion about anything,
had no habits,
it often sat cross-legged,
took off running,
had a cowlick in its hair,
and made no faces when photographed.

When the child was a child,
It was the time for these questions:
Why am I me, and why not you?
Why am I here, and why not there?
When did time begin, and where does space end?
Is life under the sun not just a dream?
Is what I see and hear and smell
not just an illusion of a world before the world?
Given the facts of evil and people.
does evil really exist?
How can it be that I, who I am,
didn’t exist before I came to be,
and that, someday, I, who I am,
will no longer be who I am?

When the child was a child,
It choked on spinach, on peas, on rice pudding,
and on steamed cauliflower,
and eats all of those now, and not just because it has to.

When the child was a child,
it awoke once in a strange bed,
and now does so again and again.
Many people, then, seemed beautiful,
and now only a few do, by sheer luck.

It had visualized a clear image of Paradise,
and now can at most guess,
could not conceive of nothingness,
and shudders today at the thought.

When the child was a child,
It played with enthusiasm,
and, now, has just as much excitement as then,
but only when it concerns its work.

When the child was a child,
It was enough for it to eat an apple, …bread,
And so it is even now.

When the child was a child,
Berries filled its hand as only berries do,
and do even now,
Fresh walnuts made its tongue raw,
and do even now,
it had, on every mountaintop,
the longing for a higher mountain yet,
and in every city,
the longing for an even greater city,
and that is still so,
It reached for cherries in topmost branches of trees
with an elation it still has today,
has a shyness in front of strangers,
and has that even now.
It awaited the first snow,
And waits that way even now.

When the child was a child,
It threw a stick like a lance against a tree,
And it quivers there still today.

Agora começa a segunda epopeia… A procura do Tão Longe, Tão Perto

um poema em forma de filme

Posted in cinematógrafo às 14:44 por catarinia


As Asas do Desejo, de Wim Wenders (1987)

Um poema sobre a existência humana. Sobre os pequenos prazeres da vida. Sobre o amor e o desejo de amar.

Já alguma vez te sentiste verdadeiramente ligado a um outro ser?

10 Novembro, 2005

Dia Mundial da Ciência ao Serviço da Paz e do Desenvolvimento

Posted in ciência às 03:39 por catarinia

É hoje. E como, pessoalmente, acho que deveria estender-se pelos restantes 364 dias do ano, aqui vai a mensagem do Director-Geral da UNESCO, o Sr. Koïchiro Matsuura (disponível aqui)

Every year, World Science Day for Peace and Development provides an opportunity for special attention to be paid to the contribution of science to achieving sustainable development and enhancing the prospects for peace. From agricultural production to medicine, from sustainable energy to water management, scientific and technological advances play a key role in social and economic development through a diverse range of applications.Clearly, the importance of science does not rest solely upon the value of research and knowledge in their own terms but also derives from their relevance to the needs of society and their effectiveness in addressing those needs and in meeting the macroeconomic objectives of government. This is a challenge at national and international levels.

While the basic aims of science have not altered, social needs have changed considerably. Nowadays, science has to address complex challenges that are global in scale and character. It must deal with enormous and difficult problems that can only be met by joint efforts. In its essence, science is a collective enterprise, one whose advances generally owe more to the dedicated and painstaking efforts of teams than to breakthroughs generated by outstanding individuals. Cooperation is at the heart of scientific endeavour.

This year on World Science Day for Peace and Development, I would like to focus on the crucial importance of South-South cooperation in science and technology. Such cooperation is perhaps more important now than ever before and therefore deserves further support and encouragement. South-South cooperation holds out the promise and possibility of creating a critical mass of highly qualified and innovative scientists and technologists in the South who are trained to address issues of critical importance to the people living there. Through research and training exchanges, institutional linkages and networking, South-South cooperation can help to develop a professional culture of scientific excellence among scientists who remain at home where their contributions are most needed.

Moreover, South-South cooperation in science and technology provides valuable opportunities to promote development and peace. The development experiences of the South are rich and diverse. Whether through commonalities in history and geography or through similar development challenges, the countries of the South have important lessons to share concerning the difficulties they have faced and the success they have achieved. Scientific dialogue and collaboration, moreover, are vital mechanisms for building reciprocal interests and mutual understanding between peoples. UNESCO has long seen the value of promoting the cause of peace through international cooperation in science and South-South cooperation has been and continues to be an important aspect of this work.

Today, UNESCO’s promotion and use of modalities of South-South cooperation figure within the UNITWIN/UNESCO Chairs programme, for example. Moreover, reliance upon South-South as well as North-South cooperation is built into the very conception of UNESCO’s International Basic Sciences Programme (IBSP), which is focused on capacity-building in science and on the transfer and sharing of scientific information and excellence.

On World Science Day for Peace and Development 2005, UNESCO calls upon all those involved in the scientific enterprise to re-affirm their commitment to building a peaceful, prosperous and equitable world through science and to express this commitment through international cooperation and collaborative action. Through South-South cooperation in particular, let scientists develop relations of solidarity and mutual support that generate practical benefits and also serve as models for others to follow.

(Via Caminhos do Conhecimento)

7 Novembro, 2005

esta é que é MESMO a campanha da União Zoófila

Posted in causas às 22:44 por catarinia

Tenho recebido uma carrada de E-mails a dizer que a União Zoófila está em risco de fechar. Pois, não está nada.

Se bem que duvido que eles fiquem muito chateados se alguém lhes aparecer à porta com comida para os animais, a campanha deles é outra. Pois então aqui fica, como se pode ver no site oficial.

Corrente de Solidariedade
União Zoófila

A partir de agora a União Zoófila, em parceria com a Bluestel, disponibiliza-lhe o 760 30 99 50, um número através do qual poderá fazer o seu donativo (chamada de valor acrescentado de 0,60€ + IVA).

Poderá ligar sempre que quiser e quando o desejar a partir do seu telemóvel ou telefone da rede fixa.

O seu donativo é essencial para que a União Zoófila possa melhorar cada vez mais as condições de acolhimento de muitas centenas de cães e gatos, para quem representa a única hipótese de sobrevivência.

Faça já o seu donativo através do número:

760 30 99 50

Os cães e gatos agradecem!

descubra as diferenças

Posted in politiquices às 09:20 por catarinia

Olha já aqui uma!

Estão a ver? É assim que se faz.

5 Novembro, 2005

same old, same old…

Posted in desabafos às 01:48 por catarinia

Odeio a infantilidade de um amuo. Odeio a estupidez, a ignorância deliberada, as ideias fixas. Odeio a intolerância, a mesquinhez e a crueldade. E odeio quando isto tudo se junta ao mesmo tempo, na mesma pessoa, com o único objectivo de ferir por ferir, de provocar por provocar, de discutir por discutir. Pelo simples prazer de ouvir o som de vozes.

Tira-me do sério.